Entrevista com autora Ana Sampaio, autora do livro O papel de Deus na cura segundo Victor Frankl

Por que decidiu escrever sobre o tema?

Decidi conhecer melhor o pensamento de Viktor Frankl após ter lido sua obra Em busca de sentido. Na ocasião eu estava pensando em que gostaria de estudar em meu mestrado. Eu sabia que não queria fazer meu mestrado seguindo minha formação da graduação – a Matemática. Sabia que queria estudar algum escritor ou filósofo. Gostava muito de ler as obras de Primo Levi, que são ótimas, e discutia minhas leituras com um amigo polonês, que só conheço pela internet. Ao saber o quanto eu apreciava Primo Levi, esse meu amigo indicou a leitura de Viktor Frankl e, ao finalizar o livro, pensei: “É isso! É esse o autor que vou estudar”. Tive a sorte de, na mesma época, ser apresentada ao professor Dr. Luiz Felipe Pondé e perguntei a ele se havia a possibilidade de eu estudar Viktor Frankl mesmo tendo formação em matemática. Gostaria que ele fosse meu orientador, pois já o conhecia através de entrevistas e admirava a maneira como ele pensa. Após alguns dias, ele se ofereceu para me orientar e indicou-me o curso de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo para que eu pudesse fazer meus estudos.

 Quanto tempo levou para que a obra estivesse pronta?

Foram dois anos e meio, o tempo que levei para concluir meu mestrado.

 Quais foram suas fontes mais relevantes de pesquisa?

As próprias obras de Viktor Frankl foram minhas principais fontes. Tive ajuda de amigos que me indicaram outras leituras a respeito de psicologia e de filosofia, para que eu pudesse entender melhor o pensamento desse autor.

 Em sua opinião, qual parte do livro é mais relevante ou especial?

O próprio tema da busca de sentido é o fio condutor de meu livro e penso que é isso que buscamos o tempo todo, mas se devo eleger uma parte do livro em especial, escolho a parte do capítulo 2, na qual falo da neurose de massa. É um assunto extremamente atual e sei que é muito fácil tomarmos atitudes em grupo sem termos a mesma consciência que teríamos se parássemos um pouco mais para avaliar individualmente os fundamentos e as consequências de nossos atos. É prático e, de certa maneira agradável, fundir-se na massa, mas é necessário combatermos nossa tendência a isso.

 Qual público deseja atingir?

Meu livro é dirigido a qualquer pessoa que em algum momento tenha se perguntado a respeito do sentido daquilo que faz, seja buscando tal sentido, seja se indagando se ele existe incondicionalmente. Também dirijo às pessoas que estão interessadas no pensamento de Viktor Frankl, em especial sua maneira de ver quem (ou o que) é Deus. Não tive a intenção de dar respostas definitivas, apenas em contribuir para a discussão de ideias que considero importantes, difundindo o pensamento de um autor que admiro muito.

 Qual foi a vivência ou experiência que a fez escrever o livro?

O que me atraiu inicialmente para Primo Levi, e depois para Viktor Frankl, foi o fato de ambos terem sobrevivido a campos de concentração. Vitor Frankl sai dessa experiência ratificando aquilo que já afirmava anteriormente: a vida tem um sentido incondicional. Não deixa de ser instigante e comovente isso. A mim, em especial, o tema me toca, pois Auschwitz é mais um exemplo – terrível – das inúmeras ocasiões em que os indivíduos agem como massa e com isso conseguem espalhar e aprofundar o mal. Tive uma experiência de neurose de massa ao participar, por onze anos seguidos, de uma seita fundamentalista e é evidente que sofri as consequências disso. Ao sair de lá, indaguei-me muitas vezes sobre o sentido do que vivi e queria entender melhor o que aconteceu comigo. O pensamento de Viktor Frankl trouxe mais luzes a algumas inquietações que estão sempre presentes em meus pensamentos.

 Qual é a principal ideia que o leitor terá ao acabar de ler o livro?

A de que é possível encontrar sentido no que vivemos, especialmente conversando-se consigo mesmo, com a maior sinceridade possível.

 Qual foi o processo para reunir as informações do livro?

Fiz dois módulos de um curso oferecido pela Sociedade Brasileira de Logoterapia e um curso de extensão na PUC-SP sobre Religião e Psicologia, pesquisei e li publicações de Viktor Frankl e de estudiosos dele e a tudo isso juntei outras leituras que eram correlatas ao assunto que eu pretendia estudar. Nesse processo conheci muitas outras pessoas que, juntamente com meu orientador, discutiram várias ideias comigo. Meu trabalho não teria sido o mesmo sem essas conversas.

 Como se define o tratamento da logoterapia?

Na logoterapia não há uma receita ou um modelo a ser seguido, mas sim um auxílio para se descobrir as perguntas que a vida nos faz e encontrar as respectivas respostas. Tais respostas são pessoais e dois indivíduos vivendo a mesma situação encontrarão sentidos diferentes para suas vivências. A logoterapia é a análise da própria existência com a finalidade de encontro de sentido.

 O que define neurose noogênicas?

São neuroses decorrentes da falta de sentido. Para Frankl, tais neuroses não decorrem de uma falha no nível físico ou psíquico de uma pessoa (apesar de poderem ser consequência disso), mas sim no espiritual – responsável pela consciência moral, pelo amor e pela arte.

 Qual é a importância de um orientador como o Luiz Felipe Pondé?

Considero-me uma pessoa de sorte por tê-lo conhecido exatamente no momento em que decidia o que deveria estudar. Apesar de ter um profundo conhecimento da área que leciona e também de áreas correlatas, além de ser muito conhecido, é extremamente acessível e generoso em compartilhar suas ideias. Para mim, o Pondé é um exemplo de como devem comportar-se professores e pesquisadores: com rigor, seriedade, dedicação, generosidade e respeito.

Nicolau Kietzmann Goldemberg

DGNK Assessoria de imprensa
nicolau@dgnk.com.br
11 98273-6669 / 3042-3111

www.dgnk.com.br

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s