Ciber-Religião A construção de vínculos religiosos na cibercultura

Com acesso a internet os brasileiros estão se relacionando com novas formas midiáticas e, por sequência, religiosas. O livro do historiador e doutor em Comunicação e Semiótica, Jorge Miklos, traz à tona a discussão sobre o entrelaçamento da mídia religiosa com a religião midiática e que permite associar os sujeitos humanos e o poder divino em novas formas interativas.

A obra é fruto de uma pesquisa de doutorado na PUC-SP em Comunicação e Semiótica, que durou quatro anos. As principais fontes foram sites religiosos que passaram a oferecer a seus consulentes rituais que antes só eram possíveis no âmbito presencial, como velas, terços, orações e pedidos, e peregrinações virtuais. Para a análise do fenômeno foram utilizados teóricos clássicos das Ciências da Religião, como Mircea Eliade e Rudolf Otto, além de teóricos das Ciências da Comunicação como Malena Contrera, Norval Baitello Jr. Paul Virilio e Eugênio Trivinho. O autor destaca uma das partes mais relevantes do texto:

“O deslocamento dos rituais religiosos para o âmbito do ciberespaço implica uma alteração dos aspectos tradicionais desses ritos. Em resumo, percebe-se uma mútua contaminação na qual o sagrado é midiatizado e a mídia é sacralizada. Será possível apreender, por meio da obra, um panorama da civilização pós-moderna cibercultural, suas manifestações socioculturais e o seu alcance sobre os rituais religiosos”.

Os interessados nos campos das Ciências da Religião e Ciências da Comunicação e o público em geral terão proveito na leitura, pois o livro possui um texto com uma linguagem de fácil assimilação.  Um dos assuntos decorrentes, a “Midiofagia”, um termo ainda desconhecido para muitos que usado com frequência ao qual Jorge Miklos explica:

“Midiofagia é um neologismo inspirado no conceito de Iconofagia do Prof. Dr. Norval Baitello Jr. Partindo da premissa que a técnica é muitas vezes percebida como religião (essa premissa foi indicada pelos teóricos da comunicação Malena Contrera e Eugênio Trivinho) percebeu-se que, na percepção social, as tecnologias comunicacionais são referenciadas como se fossem dotadas de poderes divinos. Um exemplo é o site de busca Google, o qual muitas vezes é percebido e referenciado como onipresente (está em todos os lugares), onisciente (tudo sabe) e onipotente (tudo pode). Certa vez ouvi numa palestra um ilustre sociólogo brasileiro dizer que “o Google é a prova de que Deus existe”. Dessa maneira talhou-se o conceito de “midiofagia”, no qual se busca explicar a capacidade dos meios técnicos de comunicação em “devorar” os atributos divinos.  Obviamente esse fenômeno é cada vez mais recorrente no imaginário social que projeta na técnica atributos humanos e divinos”.  E completa sobre o impacto para a religião a popularização do uso da Web e quais serão esses resultados:

“Estamos em um mundo e em uma época cujas relações são pautadas e mediadas pelas tecnologias comunicacionais. Nossa época é notadamente marcada pela presença massiva de tecnologias de comunicação no cotidiano humano. A “onipresença” da tecnologia comunicacional acarreta mudanças profundas na sociedade atual. O alastramento da cultura digital e sua difusão potencializaram vários comunicadores instantâneos portáteis nos quais os formatos e as linguagens não param de convergir numa velocidade surpreendente. Se todas as esferas da vida social foram abarcadas pelo tecnológico, a experiência religiosa não ficou ilesa.  Atualmente, várias pessoas, ligadas ou não a instituições religiosas, lançam mão dos meios de comunicação eletrônicos interativos como mediação para experiências religiosas. Velas, terços, velórios, e peregrinações virtuais são alguns exemplos recentes, mas já conhecidos dessa migração da experiência religiosa para o cyberspace. Não há como “prever os resultados”, porém há como atestar o fenômeno no presente. Nesse contexto, as religiões, em suas diversas denominações, são um foco especial para o estudo comunicacional das sociedades contemporâneas”.

Sobre o autor:

Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP; graduado em História, mestre em Ciências da Religião. Membro da Comissão de História do Instituto Panamericano de Geografia e História (IPGH) e da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Brasil.

Integra o grupo de pesquisas Mídia e Estudos do Imaginário (UNIP) e o Centro Interdisciplinar de Semiótica da Culturae da Mídia (PUC/SP).

 CIBER-RELIGIÃO

A construção de vínculos religiosos na cibercultura

Autor: Jorge Miklos

Preço R$30,00

Páginas: 160

Edição: 1ª

Ano: 2012

ISBN: 978-85-7698-143-5

Clique na image para baixar em alta.

Nicolau Kietzmann Goldemberg
DGNK Assessoria de imprensa
nicolau@dgnk.com.br
11 3070-3336
11 8273-6669
www.dgnk.com.br

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s